Virei Princesa! - Realizando um sonho

26 de fev de 2016




Não, não, não... Nenhum príncipe encantado veio ao meu encontro em um cavalo branco, com juras de amor eterno e o tal "true loves kiss" hahaha

Mas sim, VIREI PRINCESA!

Quando eu era criança uma alma abençoada me deu de presente uma fantasia da Bela e só Deus sabe a dificuldade que a minha mãe passava para me fazer tirar aquele vestido. Eu o usava até para ir ao supermercado, nem lavar eu queria. 
Sempre fui muito fã da Disney e atualmente se sou uma maníaca assumida por musicais, posso afirmar que 70% desse vício partiu dos clássicos Disney. Mas o desenho "A Bela e a Fera" sempre foi meu favorito, não sei dizer ao certo o motivo... só sei que sempre tive maior afeto por ele. 

De junho/2015 até o presente momento eu venho sentindo uma vontade muito grande de participar de algum musical que não seja escrito ou dirigido por mim. Essa vontade louca começou quando fui assistir a um colega e ex aluno do CCEM apresentar Mama Mia no Teatro Castro Mendes, que é um belíssimo teatro aqui em Campinas. Enquanto assistia, senti meu coração pequenininho e a vontade de experimentar algo novo foi surgindo. 
Por um bom tempo eu acreditava que tinha uma veia muito forte para criação e direção de peças musicais, e eu realmente tenho. Mas a partir do dia que assisti Mama Mia, senti a vontade de participar de uma peça como ariz. Queria explorar o palco dessa maneira. Então logo comecei minha busca e fiz audição para o musical da Princesa e o Sapo (por que ser princesa, era o meu foco! haha). 

No dia audição eu notei que eu nunca havia feito uma audição e a pressão que eu tanto queria começou ali. Vi o salão cheio e quase chorei de nervoso, fui me tranquilizando aos poucos e cantei "Imagem" de Mulan. 
Imaginei que seria fácil demais conseguir o papel já que eu tinha o perfil da Princesa Tiana e também sabia cantar. No dia seguinte, a escola me ligou dizendo que queriam que eu ficasse com o papel da mãe da Princesa Tiana e mais um papel no coro. Já que eu teria que pagar mais de R$ 300,00 e perder aula na faculdade para participar desse musical, resolvi deixar essa "chance" passar. 

Dois meses depois, aquele mesmo amigo que fui prestigiar no teatro Castro Mendes, me procurou dizendo que a prefeitura estava começando a trabalhar em dois musicais - Grease e a Bela e a Fera - Meu olhos até brilharam. No sábado seguinte lá estava eu, toda feliz e contente. 
Minha intenção na realidade, em momento nenhum era pegar algum papel. Meu foco sempre foi participar para saber como é feito um musical profissional. Mas as audições foram acontecendo e acontecendo. Foram 3 audições coletivas e o CallBack, que foi quando caiu minha ficha que eu tinha chances de ter um papel importante na peça. 
O CallBack aconteceu comigo e outras 6 meninas no mesmo dia. Me lembro de estar muito ansiosa, mas um clima muito gostoso e descontraído tomou conta do ambiente assim que começamos a passar as falas juntas. 

Depois dessa última audição, tivemos que aguardar mais 3 dias para termos o resultado de quem finalmente ficaria com o papel da Bela e da Sandy de Grease. E por fim, depois de 2 horas de ensaio foram anunciados os papeis. Sabe aquela sensação que temos que parece que a alma sai do corpo e volta rapidamente? Não? Enfim...foi isso que senti quando ouvi meu nome mencionado logo após o nome BELA. Minha vontade era de subir na cadeira e gritar muito, mas no lugar disso, um silêncio enorme tomou conta do lugar, eu não sabia como reagir e ninguém sabia quem era a tal Gabriela que interpretaria a Bela e os que sabiam também demoraram um pouco para reagir, até que uma mulher corajosa quebrou o silêncio e perguntou em voz alta "Quem é Gabriela?"  e então eu levantei o dedo indicador. Se o filme divertidamente fosse real, a minha "Alegria" estaria sambando, soltando fogos e fazendo a maior festa, mas por fora ninguém imaginava o que estava acontecendo comigo naquele momento. 

Sobre ser uma Bela negra

Bom, posso afirmar que essa é a realização de um sonho que eu nunca sonhei. Digo isso por que, sabe quando algo é TÃO impossível que nem passa pela sua cabeça nem por brincadeira? Sonhar em ir pra Disney é algo que venho desejando desde que me conheço por gente e é muito mais tangível do que isso. 
Quando esse meu amigo me chamou pra entrar no musical Bela e a Fera eu vim por amor á arte, amor á Disney e por puro desejo de participar de algo novo. Na minha cabeça não passou nem de longe a possibilidade de interpretar meu personagem favorito da vida. 
Á princípio eu não me sentia confortável interpretando a Bela PRINCIPALMENTE por causa do meu perfil. Já não basta ser negra, ainda tem que ser peituda e alta! hahahahaha Mas com o passar dos meses eu fui aprendendo a trabalhar com o meu corpo em cena e a me aceitar mais como atriz, venho me esforçando muito para interpretá-la bem, afinal a Bela merece, ela é minha personagem favorita e provavelmente é por isso que me cobro tanto. Saber que eu não sou a primeira mulher negra a interpretá-la também me deixou mais confortável e principalmente, não está escrito em nenhum lugar que a Bela é obrigatoriamente branca como no desenho, ela é um personagem e pode ser interpretada por qualquer um. Se a história fosse "A Branca de Neve" aí sim poderíamos parar pra pensar hahahaha


Sacrifícios e conquistas

Quantas pessoas tem esse privilégio? Poder emprestar o corpo a um personagem que acendeu meu amor pela arte? Tudo começou a partir dessa estória, desse desenho, dessas músicas... E para mim, está tudo começando novamente. 
Para acompanhar os horários LOUCOS de ensaios e apresentações eu acabei abrindo mão do meu emprego - "UAU, Gabi você está louca?", "Tem certeza que você está fazendo a escolha certa?". Perguntas frequentes que ouvi após tomar minha decisão. 
Eu aprendi que o dinheiro vem com trabalho e o trabalho DEVE ser investido em algo que você gosta. Eu adorava o meu dia a dia, as pessoas que faziam parte dos meus dias e etc, mas não era algo que eu queria pra sempre. Ser recepcionista não era uma profissão, sim um emprego, ao qual eu AINDA, mesmo depois de ter saído, agradeço a Deus todos os dias por ter me presenteado com aquele emprego. Foram as amizades que fiz lá que mais me incentivaram a sair e fazer o que eu queria mesmo. 
A verdade é que eu precisava de um incentivo para sair e gastar mais tempo fazendo o que amo e esse incentivo chegou na hora certa. Eu estou em paz com a decisão e sei que tem mais pra mim fora de lá.


Enfim, se eu tivesse sonhado... com certeza as coisas não aconteceriam assim, com essa sintonia tão perfeita. Me sinto privilegiada e não vejo a hora de ver tudo pronto. 

Dia 27/02 foi o dia de mostrar ao (meu) mundo todo esse trabalho maravilhoso! Foi como um aniversário fora de época, familiares, amigos novos, amigos velhos foram prestigiar o espetáculo que estava divino com o acompanhamento da Orquestra Sinfônica de Campinas. 

E no canal saiu um SUPER blog (clique aqui) com uma miscelânea de ensaios e outros pequenos eventos que fizeram parte de todo esse processo maravilhoso que repartiu minha história. 

Espero que tenham gostado do post e também espero vocês por aqui mais vezes! <3 


"If you can dream, you can do it". (Walt Disney)





























































Casamento | Paloma e Gabriel

21 de fev de 2016

A noiva paulista mais tranquila e confiante, com certeza essa entrou pra lista de raridades que eu já fotografei. A cacheada dona de um lindíssimo olhar passou o dia repetindo "não vou me preocupar com mais nada". E isso contribuiu para que as fotos ficassem lindas, até mesmo por que, noiva tranquila significa fotógrafa tranquila também

Foi muito te rever assim Pa, feliz e realizada e melhor que isso foi ser responsável por registrar cada detalhezinho do seu sonho.

Desejo a você e ao Gabriel toda felicidade do mundo. Vocês merecem!
































































Gabriela Nogueira © | Desenvolvido por Heart Ideas – soluções criativas.